Cuidado | Saúde

Como falar com dentadura: terapia fonoaudiológica funciona?

por Madu
25 de agosto de 2020

Treino e acompanhamento profissional são as indicações para a adaptação do uso de dentaduras

Foto: Pixel-Shot – Shutterstock

Segundo pesquisa divulgada na revista CEFAC, da Associação Brasileira de Motricidade Orofacial, com a chegada da terceira idade, o organismo é afetado por alterações funcionais que atingem o sistema estomatognático e podem se agravar, ocasionando perda dos dentes. Completam que “a colocação de dentaduras para corrigir essa perda de dentes, por sua vez, não implica estabilidade muscular, óssea e das funções estomatognáticas”. Dificuldade de se alimentar, dores e até falar com dentadura são alguns dos problemas identificados em pessoas que usam próteses dentárias.

Segunda a pesquisa, os idosos usuários de prótese dentária podem apresentar:

  • alterações quanto à inteligibilidade da fala e ponto de articulação dos sons em decorrência da mudança da posição dos dentes e do contorno do palato provocados pela prótese.
  • deglutição alterada, mesmo após o alcance de maior dimensão vertical proporcionado pela prótese
  • dores, lesões na mucosa, diminuição da sensibilidade oral
  • insatisfação estética
  • mastigação ineficiente, em virtude da flacidez muscular
  • mastigação unilateral, com movimento de báscula, prejudicando a retenção da prótese

Para que a prótese dentária seja considerada funcional devem ser observados os seguintes requisitos:

Mastigatório: a adaptação da prótese deve buscar maior estabilidade e retenção do aparelho, proporcionando eficiência mastigatória

Estético: a prótese deve trazer de volta a harmonia facial do paciente. Esse requisito é considerado um dos fatores de maior motivação na busca do tratamento protético

Fonético: a má adaptação da prótese pode causar alteração na articulação dos sons, dificultando a compreensão, e gerando, assim, uma não aceitação do uso da mesma

Comodidade: sensação de conforto e utilidade referida pelo paciente.

Para as pessoas se adaptarem ao uso de próteses, o Grupo de Pesquisa Ensino e Extensão (PET) do curso de odontologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) criou um guia de orientação, o qual apresenta alguns conselhos.

Treinar falar com dentadura:

– Ler em voz alta

– Cantar em voz alta

– Falar em frente ao espelho e realizar testes fonéticos

Treino estético:

– Olhar-se em frente ao espelho

– Sorrir em frente ao espelho

– Fazer “mímicas” faciais em frente ao espelho

Treino para mastigação:

– Mastigar, inicialmente alimentos pastosos

– Aumentar a consistência dos alimentos, gradativamente

– Movimentos bruscos, inicialmente, poderão provocar sobrecarga na boca, gerando desconforto e aparecimento de lesões, como aftas

Os treinos e a adaptação para falar com dentadura devem ser acompanhados por dentistas e fonoaudiólogos.

Sobre a autora:

Madu

MADU é uma iniciativa do projeto Rede Bem Estar, realizado pelo Conselho Estadual do Idoso, em parceria com o Grupo Tellus, a Brasilprev e a Liga Solidária. Foi criada para potencializar a relação entre pessoas mais velhas, seus familiares e amigos além de compartilhar conteúdos sobre envelhecimento e velhice.

Madu

Receba conteúdos especiais da Madu pelo seu email

Somos guardiões das memórias afetivas de tudo que vivemos e queremos compartilhá-las. Vamos juntas e juntos construir relações de afeto entre gerações? Te esperamos pra mais essa jornada! Conheça o nosso manifesto clicando aqui.

Veja nosso Manifesto