Cidadania

Como combater a violência financeira contra o idoso?

por Madu
11 de agosto de 2020

Golpes, extorsões e furtos de desconhecidos e pessoas próximas são problemas recorrentes da população idosa

Foto: Rob Marmion – Shutterstock

A realidade da violência contra a pessoa idosa tem uma abrangência maior do que os atos que geram dores físicas e lesões. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), todos os abusos físicos, psicológicos, sexuais, abandono, negligências e autonegligência são formas de violência. Nessa tipificação, a OMS também aponta a violência financeira contra o idoso.

Pedidos para assumir uma dívida e o não pagamento da pessoa que fez a solicitação, golpes em porta de bancos, empréstimos e chantagens são algumas das formas utilizadas por criminosos para roubar e extorquir a população idosa.

Além da violência praticada por estranhos, relacionamentos abusivos de parentes, cuidadores ou não, e conhecidos podem resultar em perdas financeiras graves.

Um artigo divulgado na Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia (RBGG), em 2019, apontou os principais tipos de violência financeira contra idosos, utilizando dados da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) e da Central de Polícia Judiciária da Polícia Civil do Estado de São Paulo.

Tipos de violência financeira contra idoso

– Apropriação e dano – Apropriar-se de bens, apropriação indébita e dano patrimonial

– Estelionato e extorsão – Estelionato mediante abuso de confiança, golpe de empréstimos e extorsões mediante falso sequestro

– Furto e roubo – Apropriação de objetos, arrombamento de domicílios e comércio e assaltos

Locais das ocorrências

Domicílio (58,9%)

Comércio e Serviços (17,2%)

Local público (10,0%)

Estabelecimento bancário (8,6%)

Unidade Rural (5,3%)

Dicas para reconhecer o abuso financeiro contra idosos

– Identificar quem administra os assuntos econômicos em caso de suspeitas

– Identificar se o dinheiro é usado por outras pessoas sem permissão do idoso

– Idosos obrigados a assinar alguma procuração ou outro documento

– Dinheiro do idoso usado para fazer compras para outras pessoas, sem que houvesse a sua concordância

– O cuidador depende do dinheiro do idoso para as despesas pessoais

– Realização de empréstimo consignado para terceiro

Regras básicas de proteção contra golpes, indicadas pela Polícia Civil do Estado de São Paulo

  1. Nunca aceite ajuda de estranhos, especialmente em bancos.
  2. Não forneça ou confirme dados particulares por telefone, pois você não sabe quem está do outro lado da linha. Oriente seus familiares e conhecidos a respeito.
  3. Jamais reaja a assaltos ou sequestros.
  4. Cuidado com sua documentação pessoal.
  5. Desconfie de ofertas generosas.
  6. Procure tratar pessoalmente os assuntos com as instituições financeiras credenciadas.
  7. Não seja ingênuo. Dinheiro fácil não existe. Seja prudente quando tratar de assuntos financeiros.
  8. Nunca deposite dinheiro na conta de desconhecidos.
  9. Controle sua ambição.
  10. Nunca guarde o cartão e a senha no mesmo lugar.

A violência financeira contra idoso é um problema grave e difícil de ser identificado nos casos onde o abusador é uma pessoa próxima. Familiares de confiança devem ter atenção às movimentações financeiras do idoso para evitar e eliminar esse tipo de violência.

Sobre a autora:

Madu

MADU é uma iniciativa do projeto Rede Bem Estar, realizado pelo Conselho Estadual do Idoso, em parceria com o Grupo Tellus, a Brasilprev e a Liga Solidária. Foi criada para potencializar a relação entre pessoas mais velhas, seus familiares e amigos além de compartilhar conteúdos sobre envelhecimento e velhice.

Madu

Receba conteúdos especiais da Madu pelo seu email

Somos guardiões das memórias afetivas de tudo que vivemos e queremos compartilhá-las. Vamos juntas e juntos construir relações de afeto entre gerações? Te esperamos pra mais essa jornada! Conheça o nosso manifesto clicando aqui.

Veja nosso Manifesto